City of Bones
HOVER
© accioloki
    Tem dias que eu me sinto triste, nostálgica.De repente e do nada sinto um vazio, eu em geral sou assim mesmo tão cheia de vida, e tão cheia de nada.
—  Aquarela-me (via aquarela-me)
    Mas se for me dar amor, eu quero uma chuva grande e intensa, se vier com garoa, fique onde está.
aquarela-me. (via aquarela-me)
    Mas se for me dar amor, eu quero uma chuva grande e intensa, se vier com garoa, fique onde esta.
— aquarela-me. (via aquarela-me)
    Quando se trata de relacionamentos todo mundo sempre tem uma história para contar. Era uma tarde de domingo em uma cafeteria com minha melhor amiga ouvindo sobre o seu mais recente fracasso amoroso.
Ela resolveu dizer que o amava. Foi então que ele nunca mais retornou suas ligações. Mas acho que às vezes amor demais assusta as pessoas. É uma pena que o tempo não pode devolver tudo o que perdemos com as pessoas erradas. Onde colocamos as fotos, os bilhetes e as lembranças? Encaixota-se tudo e manda pra onde?
Lembrei-me dos meus avós, casados havia mais de 30 anos, sempre fizeram bem um para o outro. Mesmo distantes. Acho que os relacionamentos deveriam ser assim também. Querer o bem um do outro, desejar boa noite mesmo depois de uma discussão, na saúde e na doença, na alegria e na tristeza.
Ela me questionou:
-Eu devo desistir?
Eu pensei. Pensei mas uma vez e respondi:
- Acho que desistir é um ato de coragem.
A gente desiste.
A gente desiste só pra descobrir que o mundo tem suas próprias cores. A gente aprende a descobrir nossas próprias cores.
O caso da minha amiga era mais um daqueles casos comuns em que o tempo é o pior inimigo perdeu-se a magia, perdeu-se o sentimento de conquista, perdeu-se o amor.
Suspirei e tomei um gole do meu café que já havia esfriado. Assim como o café o amor também esfria, mas e o amor será que dá pra “fazer” outro?
Crônicas. (via aquarela-me)